Interessado na Plataforma?

Blog

Forbes – 15 mulheres fundadoras de healthtechs que estão democratizando o acesso à saúde no Brasil

Interessado na Plataforma?

Dr TIS Forbes Jihan

Compartilhe essa Publicação

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Forbes – 15 mulheres fundadoras de healthtechs que estão democratizando o acesso à saúde no Brasil

Publicado oficialmente por Forbes

Especial Mulheres na Tecnologia, que o Forbes promove cita Jihan Zoghbi CEO Dr TIS entre 15 mulheres fundadoras de Healtechs.

Não é nada fácil ser mulher no ecossistema de inovação brasileiro. A opinião, unânime, é das 15 mulheres que fazem parte da primeira parte do especial Mulheres na Tecnologia, que o ForbesTech promove ao longo das próximas semanas.

E elas sabem do que estão falando. Segundo o “Female Founders Report 2021”, estudo elaborado pela empresa de inovação Distrito em parceria com a Endeavor e a B2Mamy, divulgado hoje (8), no Dia Internacional da Mulher, as empresas de base tecnológica fundadas apenas por mulheres representavam 4,4% do mercado total há uma década. Hoje, esse índice é de 4,7%, o que revela que as dificuldades enfrentadas pelas empreendedoras não diminuíram, provocando uma estagnação na diversidade de gênero no setor.

“Empreender no Brasil é desafiador. Como mulher, sinto falta de referências de founders que, ao mesmo tempo, ocupem a posição de CEO. Estar no topo de qualquer organização exige uma série de competências e habilidades técnicas e emocionais. Em uma empresa de tecnologia, a complexidade do negócio cresce de forma exponencial e, em geral, a capacidade de absorver conhecimento cresce linearmente. Logo, ter referências, oportunidades de trocas de experiências, mentorias, conversas abertas sobre como lidar com momentos difíceis é crucial”, diz Tatiana Pimenta, fundadora da Vittude. “Uma orientação correta pode nos poupar de erros, frustrações e, principalmente, perda de tempo.”

A constatação de Tatiana aparece refletida na pesquisa da Distrito. A falta de conexões – com mentores e investidores, por exemplo – é apontada como o terceiro principal desafio enfrentado pelas empreendedoras brasileiras, com 44,6%, atrás apenas de ganhar escala (60,9%) e validar o modelo de negócio (56,4%).

A dificuldade de obter investimentos também é o desafio de 38,8% das fundadoras de startups, segundo o levantamento. A Precavida, fundada por Laís Fonseca Alves, surgiu no ecossistema dos Estados Unidos, um ambiente mais maduro, com acesso maior a networking, talentos e capital. “Nosso primeiro funding veio de investidores norte-americanos. Mas reconheço que ser mulher triplica os obstáculos de acesso ao dinheiro. Especialmente no Brasil, essa barreira é mais significativa por questões culturais e por ainda termos poucas referências neste meio, que é muito fechado”, diz a empreendedora.

Forbes Healthtechs

O estudo que mapeou as fundadoras de startups também analisou as categorias onde elas mais empreendem. Os destaques ficaram por conta dos setores de saúde e biotecnologia (15,2%), educação (12,7%), serviços financeiros (8,2%) e varejo (8,1%). Segundo o documento, o fato pode ser explicado pela “elevada presença de mulheres em cursos afins, como Psicologia e Enfermagem”.

Um levantamento da Distrito do ano passado constatou que o Brasil tem, atualmente, 542 healthtechs – contra 386 em 2019 e 248 em 2018 – divididas em nove categorias: acesso à informação; inteligência artificial e big data; farmacêutica e diagnóstico; gestão e PEP (prontuário eletrônico do paciente); medical devices; relacionamento com pacientes; marketplace; telemedicina; e wearables e internet das coisas.

A maior parte dessas empresas tem de dois a três sócios, com média de idade de 40 anos. No entanto, apenas 20,3% dos integrantes dos quadros societários das startups de saúde são mulheres. A categoria que mais conta com a presença feminina é a de acesso à informação, enquanto gestão e PEP e marketplace representam a maior disparidade de gênero.

Para Ana Carolina Peuker, criadora da Bee Touch, ainda há muito a fazer para fortalecer o protagonismo feminino no ecossistema de inovação como um todo. “Precisamos reconhecer, cada vez mais, lideranças femininas nos mais diversos setores, oferecendo inspiração para que mais mulheres fortaleçam sua confiança e possam prosperar.”

Lívia Cunha, fundadora da CUCOHealth, acredita que ser uma fundadora no ecossistema brasileiro de startups é ter a responsabilidade de mostrar a todas as mulheres que, quando elas encontram a dor que querem resolver, são as melhores pessoas para colocar isso em prática. “É ter a responsabilidade de quebrar barreiras e padrões e mostrar que o espaço que queremos ocupar pode ser construído por nós mesmas”, conclui.

Jihan Zoghbi é a idealizadora da Dr. TIS, healthtech que trabalha com o desenvolvimento de sistemas para área da saúde, com tecnologia on cloud para telemedicina, gerenciamento de procedimentos e diagnóstico por imagem. Criada em 2018, a empresa nasceu com o propósito de ajudar na democratização do acesso à saúde. A startup oferece um serviço de telerradiologia com armazenamento de imagens médicas na nuvem, como raio-x, tomografia e ressonância magnética.

Com a plataforma, os usuários conseguem acessar seus exames de qualquer lugar que tenha acesso à internet, sem a necessidade de manter equipes onsite para realização de análises, e os especialistas podem analisar as imagens e fazer laudos à distância, encaminhando os resultados diretamente para o paciente. “A ferramenta é uma aliada na discussão de casos raros entre médicos e especialistas de outras partes do Brasil e do mundo, indicando diagnósticos e tratamento mais precisos. Além de conforto, praticidade e precisão, o uso da plataforma gera economia, porque reduz o investimento em servidores locais para armazenamento e o uso de periféricos eletrônicos. A prática diminui, ainda, a impressão de exames, uso de químicos e chapas radiológicas, contribuindo com o meio ambiente”, explica Jihan. Durante a pandemia, com a regulamentação da telemedicina no período de Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional, a Dr. TIS passou a oferecer o serviço de consultas remotas por vídeo e implementou a plataforma em hospitais referência no país, como HCor, Rede de Reabilitação Lucy Montoro, Sírio Libanês e a Rede Mater Dei de Saúde. Com isso, o total de empresas atendidas pela startup saltou de 50 para 160 entre março e dezembro.

Compartilhe essa Publicação

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email