fbpx
Sem categoria

Telemedicina no Brasil: o que mudou e o que esperar?

telemedicina

Sabe-se que a pandemia de Covid-19 afetou e transformou diretamente o atendimento da área da saúde em escala global. Parte desse avanço da telemedicina veio com a necessidade de conter o coronavírus através de recursos digitais.

Além da telemedicina, outras tecnologias foram adotadas pelas operadoras de saúde, serviços públicos e médicos particulares, como por exemplo, o uso da Inteligência Artificial, deixando um pouco de lado o padrão de atendimento ao paciente que existia.

A telemedicina no Brasil

Hoje, quando falamos da telemedicina nos tempos de Covid-19, apenas no Brasil, ocorreu um aumento de cerca de 800% no uso da telemedicina já nos primeiros dias da pandemia, segundo pesquisa publicada na revista científica Plos One

Quando pensamos na telemedicina num contexto de pandemia global, é possível observar que ela deixou de ser “mais uma” possibilidade de atendimento, mas sim como uma ferramenta necessária. 

Em um cenário onde manter a distância era um fator crucial para a não propagação do vírus, a telemedicina tornou-se o meio mais seguro para continuar cuidando da saúde.

O que mudou com a telemedicina?

Em março de 2021, a telemedicina completou um ano de atividade regularizada no Brasil. Desde que foi autorizada pelo Ministério da Saúde em caráter emergencial, a população brasileira passou a utilizar dessa tecnologia para evitar suas consultas, diminuindo o risco de exposição à Covid-19.

De lá pra cá, com a adesão à tecnologia, profissionais da saúde e pacientes puderam dar continuidade aos cuidados à distância, mesmo após o período de isolamento social.

Com o uso da telemedicina cada vez maior, é possível dizer que ela não mudou somente a forma como o atendimento é feito, mas sim que ela também alterou o modo como cuidamos da saúde. 

Hoje, o paciente está no “comando” do seu cuidado. Agora, ele possui o controle na palma das mãos e não precisa mais se deslocar ao hospital ou clínica para cuidar de si mesmo. Através de um aplicativo ou ferramenta de videochamada, tornou- se tão fundamental na vida quanto aqueles utilizados para pedir comida e transporte privado.

O que mudou com a telemedicina?
Foto: Tima Miroshnichenko / @Pexels

Apesar de facilitar o acesso às consultas, a telemedicina também enfrenta alguns desafios tecnológicos, tais como:

  • Informação a respeito da prática da telemedicina nas faculdades;
  • Boa estabilidade e velocidade de internet;
  • Atualizações constantes de proteção contra invasões de dados;

Como posso aplicar a telemedicina

Para além de consultas rotineiras, a telemedicina também pode ser utilizada para outros fins. Outros procedimentos também são bastante utilizados nessa modalidade de atendimento à distância na área da saúde, os quais são mais conhecidos:

  • Monitoramento remoto dos sinais vitais;
  • Transmissão de imagens para interpretação diagnóstica e confecção de laudos de exames;
  • Educação médica continuada;
  • Assessoria a distância por médico especialista ao médico generalista em contato com o paciente.
Como posso aplicar a telemedicina
Foto: Tima Miroshnichenko / @Pexels

Conclusão

Cada vez mais o paciente está no centro do cuidado, e isso faz parte da nova cultura que tem como base a era digital. Com a ajuda de aplicativos e outras ferramentas tecnológicas para a saúde, precisam se adequar à nova realidade: a concentração de informações do paciente.

Por isso, consultas agendadas e realizadas, resultados de exames, lembretes da rotina de cuidados, suporte no acompanhamento de doenças crônicas, acesso ao seu prontuário médico e, principalmente, solicitação para  compartilhamento de histórico com profissionais da saúde.

A telemedicina tem papel fundamental nessa transformação digital no ecossistema da saúde, uma vez que com ela, há mais propagação de informações médicas, tanto para sanar dúvidas entre pacientes e médicos, quanto para médicos assistentes e especialistas. 

Além disso, é graças à telemedicina, que o acesso à saúde adequada foi facilitado, retirando a necessidade do paciente ou profissional se deslocar para o local do atendimento. Este artigo foi produzido em parceria com CM Tecnologia e a Dr. TIS para trazer ainda mais informações de mercado para você.

Conheça a plataforma Dr. TIS e receba os conteúdos dos nossos especialistas

Cadastre-se

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *